Archive for 13 de maio de 2008

30, 40 e quase 50…

maio 13, 2008

O sindicalista Luiz Inácio nos conta que há exatos 30 anos, naquele dia 12 de maio de 1978, teve dois momentos bastante distintos na sua trajetória sindicalista. Foi do céu ao inferno em poucas horas. Líder dos metalúrgicos do ABC paulista, ele negociava uma solução com a Scania para evitar a deflagração de uma greve naquela montadora. Acordo fechado, saiu de lá e foi comemorar.

À tarde o revés… a Anfavea, que reúne todas as montadoras, decidiu que o acordo da Scania com o então sindicalista não se aplicaria. E os trabalhadores não tiveram como se aglutinar no interior da fábrica e retomar a paralisação. Frustrado, o líder sindical “brigou”, o movimento recrudesceu, e 15 dias após a grave, enfim uma solução negociada dentro daquilo que a categoria negociava, ou melhor, pleiteava. (more…)

De volta ao samba

maio 13, 2008

Valho-me de título da canção de Chico Buarque para ilustrar a minha volta ao dia-a-dia de Brasília. Embora o retorno tenha sido ontem (segunda-feira, 12), o agito do resto da tarde não me permitiu postar nada. Então, nesse início de tarde de terça-feira em Brasília dedico-me a contar as últimas horas no Rio, na Áustria (opas! Embaixada da Áustria no Brasil) e a maior expectativa deste dia: as primárias de Virginia Ocidental.

Como dizia o esquartejador: vamos por partes. No Rio, sede do BNDES, o lançamento da Política de Desenvolvimento Produtivo, o programa de incentivo à indústria nacional, tomou grande parte do tempo. Com a participação de 10 governadores, 11 ministros de Estado, empresários, lideranças patronais e de empregados, políticos. Muitos políticos circulavam por lá.

No meio da tarde, o vôo para Brasília. Seguimos do Aeroporto Tom Jobim direto para o Aeroporto Juscelino Kubitscheck. Quase duas horas de tamanha angústia. Aqui na redação, a correria para escrever a matéria, enviar para os jornais, alimentar o sítio e ainda me preparar para a noite. Programa: jantar na Embaixada da Áustria. Uma nova viagem, desta vez virtual, permitiu o contato com aquele país.

Acabamos a noite no restaurante Universal Diner, aquele da moda em Brasília e ainda bastante freqüentado pela comunidade GLS. Mas nada que me intimidasse. Aliás, as tribos são bem legais. Acabei a noite já bem de madrugada numa conversa animada com minhas duas leitoras assíduas. A patroa já dormia o décimo sono. Com as novidades postas em dia, recolhi-me. Só que não estava mais no Fasano da Vieira Souto. Mas na confortável cama do meu lar.

E não houve tempo para esquentá-la. Mal o dia começou, já estava na cozinha preparando o café da manhã. Pena que não tinha aquele café do Fasano. Caro, mas com todas as opções para a primeira refeição do dia. Nada pra fazer, corri para o batente. Outra vez os austríacos. Rodada de negócios. Os empresários daquele país querem aumentar o fluxo comercial com as indústrias brasilienses.

E as notícias nos sítios vão do assalto sofrido pela apresentadora Hebe Camargo à decisão da Justiça de manter presos o pai e a madrasta de Isabella. Prometi que não ia entrar nesse tema, mas não teve jeito. Limito-me apenas ao breve relato. E só.

De Virginia Ocidental, a notícia mais interessante e motivo de alguns post no blog. A senadora Hillary Clinton vai vencer as primárias e conquistar o maior número de delegados. Como? Estão em disputa 28 delegados. Isso não é nada para quem necessita de muitos apoios e pelas contas que fiz, pelos exercícios matemáticos, não conseguirá superar o até então adversário, o senador Barack Obama.

Digo até então porque Obama já mudou a estratégia política. Ou seja, enquanto a senhora Clinton não anuncia oficialmente a desistência da indicação pelo partido Democrata, o senador por Illinois se comporta como o candidato do partido para enfrentar John George W. McCain Bush, em 4 de novembro.

Tudo que quero agora é agendar audiência na Embaixada dos Estados Unidos para conseguir o visto para aquele país. Tai: se algum eleitor de Hillary, Obama ou McCain puder me dar uma força, agradeço.