Archive for 4 de dezembro de 2008

Os carros

dezembro 4, 2008
Os pátios das montadoras estão com 305 mil carros

Os pátios das montadoras estão com 305 mil carros

 A indústria automobilística está chorando de barriga cheia. A Associação Nacional de Veículos Automotores (ANFAVEA) anunciou, segundo Folha On line, que existem 305 mil carros nos pátios das montadoras. Em grana, esta montanha de veículos equivale R$ 12 bilhões. A mesma entidade afirma que as fábricas fecham o ano com a venda de 2,815 milhões de unidades e, embora não atinja os 3,060 milhões comercializados no ano, apresenta um crescimento de 14,1% em 2008 comparado com 2007.

É mais um exemplo de como alguns setores da economia nacional se comportam ou sinalizam a forma de atuação neste período em que pregam o fim do mundo. De qualquer maneira, pelo menos aqui no Distrito Federal, as concessionárias e revendedoras estão anunciando maciçamente nas emissoras de rádio e TV e nos jornais. Toda campanha tem por objetivo atrair compradores. O problema é que a torneira do crédito está se fechando e as taxas praticadas são consideradas despropositais.

Anúncios

Os cortes

dezembro 4, 2008

A crise na economia mundial tem provocado alguns estragos no Brasil. Na prática, é como se um resfriado nos Estados Unidos contaminasse todos os demais países. Então, as notícias mais recentes e que atormentam a vida do cidadão é a demissão. Classifico o desemprego como sendo o mais grave problema para o ser humano. O trabalho representa a dignidade. Ter um emprego é poder sustentar a família. Ficar de braços cruzados é o fim. Deprime. Causa instabilidade emocional.

E nesta esteira de corte de gastos, a Vale anuncia demissões e férias coletivas. A direção da empresa está negociando com os sindicatos dos trabalhadores, mas não há garantias, por exemplo, que ao término das tais férias coletivas o mesmo efetivo profissional volte ao trabalho. Uma situação bastante delicada. E acrescento outro ingrediente: o momento difícil faz o mercado de emprego ficar bastante retraído.

Na outra ponta, a Petrobras corta gastos também. Revê patrocínios. E tal situação deve afetar outras empresas nacionais. O cerne da questão é que ainda não se descobriu um antídoto para curar esta crise. É lamentável.