Posts Tagged ‘Hillary Clinton’

Um conselho mineiro

novembro 20, 2008

tancredo

Tem uma história – ou seria um causo – relatado por alguém que conviveu com o dr. Tancredo Neves, um dos mais astutos políticos mineiros que este país já teve. Eleito governador, Tancredo se preparava para tomar posse. Vários nomes de candidatos aos cargos de secretários brotavam na mídia. Um amigo – ou cidadão – resolveu dar uma de esperto ao querer descobrir se assumiria determinado cargo no governo.

(more…)

Anúncios

Um negro americano

novembro 6, 2008

obama08

A eleição de Barack Hussein Obama, um negro de 47 anos, deve merecer uma análise mais profunda quando acalmarem as comemorações da vitória. Para quem entrou na leitura dos jornais ou acompanhou os noticiários na reta quase que final da campanha não deve ter percebido ou compreendido como foi esse jogo político que permitiu e incendiou esta onda denominada “obamamania”.

Faço uma leitura livre, tendo por ótica o meu ponto de vista, sobre as eleições norte-americanas que resultou em 63.764.326 de votos e 349 delegados para Barack. Para começo de análise, recordo uma gafe do presidente George W. Bush, quando apresentado ao então senador Barack Obama. Naquele passado não muito distante, Bush pensou tratar-se de um legítimo Osama. Isso perseguiu Barack também nesta campanha de 2008.

(more…)

Obama é candidato a presidir EUA

agosto 28, 2008

O Partido Democrata bateu o martelo. O senador Barack Obama foi aclamado candidato do partido à sucessão do presidente George W. Bush. Obama disputa as eleições no dia 4 de novembro contra o senador John McCain, do Partido Republicano e, por sua vez, candidato de Bush.

(more…)

Oh Hillary, desista!!!!

maio 10, 2008

Os telejornais no Brasil noticiaram esta noite a mobilização dos caciques do partido Democrata para que a senadora Hillary Clinton desista da disputa pela indicação para ser a candidata à sucessão do presidente George W. Bush. Nas últimas horas, tem prevalecido a sensatez. O equilíbrio. O gás da senhora Clinton está acabando como uma Coca-Cola deixada na geladeira por muito tempo. Sem recursos para continuar na banca. Com superdelegados mudando de lado é esperada a desistência para as próximas horas.
O senador Barack Obama, opositor até então, se recolheu. Sabe que nesse jogo político o melhor é juntar os cacos que vão sobrar dessa empreitada de Hillary. Ele já sinalizou – como dizem as notícias que chegam da terra do Tio Sam – que a receberá na chapa que tem por objetivo “bater” nas urnas o candidato John George McCain W. Bush. E a democracia vai prevalecer.
Aqui no Brasil, vamos dormir na torcida para que a questão se resolva. E quem sabe possamos acordar no sábado com a definição de Barack Obama  candidato Democrata. A oposição vai tremer nas bases. Rumo às urnas em 4 de novembro para varrer do mapa os resquícios de quase uma década de Bush no poder. Por isso, Hillary, desista!

A rebeldemania

maio 9, 2008

No final dos anos 70, o Brasil ainda sob o domínio dos militares, com a censura a pleno vapor, um grupo jovem arrastava multidões. Era “Os Menudos” Roy Rosselló, Robby Rosa, Ricky Martin, Charlie Massó e Ray Reyes. Notícias do final do século passado dão conta que o quinteto conseguiu levar 200 mil fãs histéricos ao Morumbi, em São Paulo. A maioria meninas. Os menudos envelheceram. Agora, têm nos Rebeldes, ou RBD, seus sucessores deste século 21.
Hoje, me recordo que passava pela Catedral Metropolitana de Brasília, na Esplanada dos Ministérios, em pleno 21 de abril, quando a cidade comemorou 48 anos de fundação, e fui abordado por um pai aflito. Ele me contou que pela filha adolescente, despencou do interior da Bahia para trazê-la exclusivamente para assistir ao show do RBD. Agora, amanheço em busca de notícias e tenho a minha atenção voltada para o acampamento de fãs nas proximidades da Via Funchal, em São Paulo, para a compra de ingressos que darão direito de ver a apresentação desse grupo.
É assim: enquanto os adultos estão atentos (será?) para as notícias sobre quem vazou o dossiê referente aos gastos do cartão corporativo da Presidência da República, no governo do presidente Fernando Henrique Cardoso, os nossos adolescentes se acotovelam na fila para adquirir ingressos para o RBD. Quem é mais alienado? Uma reflexão. E o tal dossiê vem inclusive com as digitais, DNA e tudo que o telespectador tem direito de saber.
Trata-se de mais um capítulo dos subterrâneos de Brasília que poucos brasileiros conhecem tão bem. A coisa funciona assim: há uma prateleira tomada por assuntos bombásticos que vão alimentar a mídia em determinado momento. Ocorre que as pessoas com acesso a esse local escolhem a hora e o dia de tornar o assunto conhecido da população. E aí surgem escândalos para cá, escândalos pra lá. As CPIs são abertas. E os resultados todos conhecem: uma bela pizza ao gosto do freguês.
Neste ano de 2008 teremos as eleições municipais no Brasil (menos no Distrito Federal, cujos moradores estarão livres do comparecimento às urnas). E, desde já, os políticos se movimentam por todos os cantos.  O jogo municipal esta ligado também a uma outra disputa que se dará em 2010: a sucessão do presidente Luiz Inácio Lula da Silva. E a leitura que se faz é a seguinte: conquistar o maior número de prefeituras, inclusive as das capitais, é importante para qualquer projeto mais alto, ou seja, chegar ao Palácio do Planalto.
É como se costurasse uma colcha de retalhos. Pega-se o partido A, alinhava-o com o partido B e está formada a base que dará sustentação ao futuro candidato. Isso vale também para os cargos de governador, senador, deputado federal e deputado estadual. E por conta de dois momentos eleitorais, milhões de reais do contribuinte são gastos em toda essa ciranda. Ora, por qual motivo não se faz uma eleição única? Mais uma reflexão proposta aos nossos amados leitores.
Enquanto isso, o mundo acompanha, atordoado, a tentativa de ajuda à população de Mianmar. Devastada por um furacão, o país passa por necessidades. O mesmo regime que confinou os monges budistas agora barra a distribuição de alimentos, remédios e gêneros de primeira necessidade. É uma insanidade. É desumano.
Nos Estados Unidos, as notícias dão conta de que o senador Barack Obama sinalizou com a possibilidade de acolher a opositora e senadora Hillary Clinton em sua chapa. A senhora Clinton ficaria com a vaga na disputa ao cargo de vice-presidente da República. Seria uma saída honrosa? Uma solução caseira. Esse blog já tinha tocado no assunto anteriormente. Seria uma inversão de papéis. Meses atrás, a mesma proposta fora feita a Obama. Hoje, o senador está mais candidato do que nunca a conquistar a indicação do partido Democrata para enfrentar o Republicano John McCain na corrida à Casa Branca.
Na Argentina, o nosso correspondente-estagiário Elton Pacheco, que ontem embarcou para Buenos Aires, vai respirar um ar mais poluído. As notícias dão conta da manifestação do vulcão Chaitén, no Chile. As cinzas já tomam a capital portenha. Mesmo assim, conhecendo bem o nosso repórter, os leitores devem ser brindados com informações fresquinhas daquele país no blog http://eltonpacheco.wordpress.com (Dramas do Sucesso, ou melhor, um diário de quem completou 21 anos…). É só conferir.

O sapo de Hillary

maio 8, 2008

 

Nos anos 90, em plena campanha eleitoral para a Presidência da República do Brasil, o então candidato Leonel de Moura Brizola chamou o oponente Luiz Inácio Lula da Silva de “sapo barbudo”. Já em pleno século 21, após outras insistências, o “sapo” se tornou presidente e está no segundo mandato. “Não seria fascinante fazer, agora, a elite brasileira engolir o Lula, este sapo barbudo?”, disparou Brizola em plena disputa vencida pelo “príncipe”, o sociólogo Fernando Henrique Cardoso.

Na campanha seguinte, que reelegeu o “príncipe”, desta vez como candidato à vice-presidente na chapa do “sapo”, em entrevista ao Jornal do Commércio, o mesmo Brizola explicou: JC – Na última campanha presidencial o sr. bateu forte em Lula, chegando a chamá-lo de “sapo barbudo”. O sapo virou príncipe?

Brizola – Isso foi uma brincadeira. Um xiste, como dizem os espanhóis. Ele havia me acusado, primeiro, de ser uma pessoa ambiciosa e capaz de pisar no pescoço da mãe para alcançar a Presidência. Ele deve ter tomado uma cerveja antes, como eu havia tomado um copo de vinho.

Agora, centramos o foco na disputa para a indicação do candidato Democrata que irá disputar com o Republicano John McCain a sucessão do presidente George W. Bush. Numa campanha bastante acirrada, a senadora Hillary Clinton, insiste em receber a indicação do partido, mesmo com as últimas projeções que “sepultam” a candidatura. Ou seja, o senador Barack Obama é o único neste páreo com chances reais de atingir o quórum mínimo de delegados (2025) e obter o aval para entrar na “briga”.

Este blog, numa postagem anterior, informou que as chances da senhora Clinton são bastante remotas. Faltando 217 delegados, dificilmente a senadora chegaria à frente de Obama, candidato até então desconhecido da maioria da população do planeta, mas com credenciais suficientes para entrar na luta com John George McCain W. Bush (os nomes se confundem!!!)

Não seria Obama o “sapo” (sem barba) da senhora Clinton? Assim como Lula, o “sapo barbudo”, o senador por Illinois representa a minoria. Negro, de origem humilde, Obama vem conquistando o eleitorado americano. Agora, busca-se uma “saída honrosa” para sua oponente. Já se cogitou indicá-la candidata ao posto de vice-presidente dos Estados Unidos, na chapa encabeçada por Obama.

Insistente, Hillary declarou que vai até o fim. No momento, se encontra em campanha pelos votos dos 28 delegados de Virginia Ocidental. Cabeça dura, ela pode continuar a dar mais fôlego para McCain. No entanto, os analistas políticos americanos acreditam que a solução sairá em questão de dias. Falta apenas convencê-la de que o “tapetão” não é o melhor caminho para resolver o impasse político.

 

Olhe as pesquisas, estúpido!

maio 6, 2008

 

  

Clinton VS. Obama

Enquanto o Democratas (ex-PFL) encolhe no Brasil, o Democrata do Estados Unidos tem em Indiana e Carolina do Norte as últimas cartadas para saber quem vai disputar com o Republicano John McCain a sucessão do também Republicano George W. Bush. Lá, o sistema eleitoral é bem diferente do brasileiro. Hillary Clinton e Barack Obama estão numa luta acirrada para obter a indicação do partido.
Então, surgem no cenário político americano as pesquisas mais recentes. Hillary venceria em Indiana com 48,8% contra 43,8% de Obama. Na Carolina do Norte, vitória de Obama (49,7%) contra 42,7% para Hilary. Se prevalecerem os números, continuará também indefinido o nome daquele senador (a) que disputará as eleições com McCain. Analistas políticos de plantão avaliam que esse cenário favorece o Republicano que sai com uma ampla vantagem de tempo na disputa do cargo mais importante do planeta (será?).
Mas as pesquisas de opinião podem estar erradas? Por isso, somente após a apuração do último voto se saberá quem levou a melhor. Obama teve a campanha arranhada em função das declarações do reverendo Jeremiah Wright, uma espécie de guru espiritual do senador. Porém, se ganhar nestes dois estados, o senador estará definido como o candidato Democrata.
Senhora Clinton tem em sua equipe um especialista em campanha política. Trata-se do “careca” acima James Carville, um gênio nessa arte. Articulador de outro Clinton, o Bill, agora Carville se movimenta nos bastidores em favor de Hillary. No mais, vale aguardar o desfecho deste embate.