Posts Tagged ‘senadora Hillary Clinton’

Pede pra sair, Hillary!!!

junho 1, 2008

A decisão salomônica do Partido Democrata deu o tom nas últimas horas sobre os desdobramentos da corrida à Casa Branca. Os caciques do partido resolveram dividir entre os pré-candidatos senador Barack Obama e senadora Hillary Clinton, os votos que haviam sido dados para a senhora Clinton nas prévias da Florida e de Michigan. O embate girou entorno do seguinte: Obama queria a anulação do resultado sob alegação de que em janeiro, quando ocorreram as consultas, não estava candidato à indicação. Por sua vez, Hillary fez pressão junto ao partido para que fosse validada sua escolha. (more…)

Anúncios

As primeiras

maio 26, 2008

O futebol ainda ecoa pelos quatro cantos do país nessas primeiras horas de segunda-feira. Com muita gente se dirigindo ao trabalho, quem não teve oportunidade de acompanhar os resultados do Brasileirão pelo “Fantástico”, programa da Rede Globo, deve passar pelas bancas para uma espiada nas manchetes. Pelo menos em três jogos a polêmica dos pênaltis. Explico: na partida Portuguesa e Palmeiras, em pleno Pacaembu, ainda quando vencia por 1 a 0, o palmeirense Alex Mineiro mandou a bola na trave. Ao término da partida, empate em 1 a 1.

No Engenhão, o Vasco saiu na frente logo no primeiro minuto. O Botafogo empatou com Lúcio Flávio aos 41 minutos do segundo tempo na cobrança de pênalti. Mas o incrível ocorreu no Recife. Após estar perdendo por 2 a 0 para o Sport, Dodô fez um lindo gol de falta. Mais adiante, o árbitro marcou um pênalti. Confiante, Dodô pegou a bola e chamou para si a responsabilidade da cobrança. Muita catimba dos jogadores do clube pernambucano. Dodô chutou fraco, no canto esquerdo do goleiro Magrão que agarrou a pelota. Placar final: Sport 2, Fluminense 1. (more…)

A favorita

maio 16, 2008

As notícias que dominam essa manhã de sexta-feira estão voltadas para o mundo. Talvez, por ser início de dia aqui no Brasil, ainda não é possível produzir os assuntos bombásticos que poderão invadir os sítios e/ou saírem publicados nos jornais impressos no dia seguinte. Em Israel, o presidente dos Estados Unidos, George W. Bush, participou das comemorações dos 60 anos daquele país. Antes de seguir para a Arábia Saudita, Bush atacou um dos seus principais alvos no Oriente Médio: o presidente do Irã, Mahmud Ahmadineiad. Segundo o presidente norte-americano, Ahmadineiad quer levar aquela região para a época medieval. Bush prometeu defender Israel do terrorismo.

 
Bem longe do Oriente Médio, e mais perto do Brasil, em Lima (Peru), ocorrem os preparativos para a reunião de cúpula América Latina, Caribe e União Européia. O presidente Luiz Inácio Lula da Silva prevê um clima tenso nesse encontro de chefes de Estado. Tudo isso porque a Interpol mostrou ligações entre as Farc e o presidente da Venezuela, Hugo Chávez. A análise do disco rígido de computadores dos “revolucionários” colombianos apontou o elo entre Chávez e a guerrilha. Isso deve ser suficiente para o incendiário venezuelano produzir discursos inflamados.

Dos Estados Unidos, o senador Democrata Barack Obama se antecipa e diz que o presidente Bush o acusa de “querer negociar” com terroristas. E Michelle Obama, mulher de Barack (ele foi estagiário dela num escritório de advocacia), vira alvo dos Republicanos do Tenneesse. Um vídeo que caiu no YouTube com o título de “Orgulhosa”, aponta-a numa reunião para arrecadar fundos para a campanha do marido Obama: “pela primeira vez na minha vida adulta estou orgulhosa do meu país.”

Isso mostra com clareza que a disputa eleitoral americana ficará polarizada entre John McCain e Barack Obama. A favorita senadora por Nova York Hillary Clinton teve sua candidatura bastante esvaziada nas últimas horas. Sem fundos para bancar a campanha pela indicação do Partido Democrata, a senhora Clinton tem dado os últimos suspiros com recursos próprios. Há quem acredite numa saída negociada deste cenário político. Porém, as velhas raposas da política avaliam que nesse campo é importante saber o momento de se recolher. E parece que a senadora ainda não descobriu que é chegada a hora.

A favorita da mídia norte-americana, como diria Mário Jorge Lobo Zagallo, vai ter que engolir Barack Obama. Se não houver qualquer acidente de percurso, coisa pouco provável, Obama vai com chances para bater o candidato John George W. McCain Bush. Claro que o Partido Republicano deve ter um monte de “dossiês” para atacar o principal adversário antes das eleições do dia 4 de novembro.

E dossiês também não faltam aqui em Brasília. A ministra da Casa Civil, Dilma Rousseff, a  favorita tupiniquim, foi alvo dessas digamos maldades. O dossiê que vazou da Casa Civil direto para um assessor do Senado Federal ainda promete desdobramentos futuros.  Aqui no Brasil, o Democratas – não confundam com o Democrata americano – tem algumas cartadas.

Isso até parece novela da Rede Globo, só que vai ao ar no Jornal Nacional, noticioso que antecede os dramas de Aguinaldo Silva. Na ficção, o que tem interessado ao povo brasileiro, é saber os destinos das personagens que rondam a trama de “Duas Caras”. Então, um convite: assistam aos próximos capítulos.

Oh Hillary, desista!!!!

maio 10, 2008

Os telejornais no Brasil noticiaram esta noite a mobilização dos caciques do partido Democrata para que a senadora Hillary Clinton desista da disputa pela indicação para ser a candidata à sucessão do presidente George W. Bush. Nas últimas horas, tem prevalecido a sensatez. O equilíbrio. O gás da senhora Clinton está acabando como uma Coca-Cola deixada na geladeira por muito tempo. Sem recursos para continuar na banca. Com superdelegados mudando de lado é esperada a desistência para as próximas horas.
O senador Barack Obama, opositor até então, se recolheu. Sabe que nesse jogo político o melhor é juntar os cacos que vão sobrar dessa empreitada de Hillary. Ele já sinalizou – como dizem as notícias que chegam da terra do Tio Sam – que a receberá na chapa que tem por objetivo “bater” nas urnas o candidato John George McCain W. Bush. E a democracia vai prevalecer.
Aqui no Brasil, vamos dormir na torcida para que a questão se resolva. E quem sabe possamos acordar no sábado com a definição de Barack Obama  candidato Democrata. A oposição vai tremer nas bases. Rumo às urnas em 4 de novembro para varrer do mapa os resquícios de quase uma década de Bush no poder. Por isso, Hillary, desista!